Caldas da Cavaca

HM-11 - Caldas da Cavaca

Termalismo

CONCESSÃO

Natural landscape

MORADA:
Rua Tenente-Coronel Silva Simões, 294, 3515-156 Viseu

LOCALIZAÇÃO:
Distrito - Guarda
Concelho - Aguiar da Beira

ÁREA DA CONCESSÃO:
80,18 ha

DATA DO CONTRATO:
19-01-1994

PERÍMETRO DE PROTEÇÃO:
Fixado
Portaria n.º 439/1996, DR 204, Série I-B, 03-09-1996

Concessionário

Caldas da Cavaca, S.A.

Captação

Cavaca 3

Tipo

furo

SETOR DE ATIVIDADE

Termalismo

INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS:
Doenças do aparelho digestivo
Doenças do aparelho respiratório
Doenças reumáticas e músculo-esqueléticas
Stairs

CARACTERIZAÇÃO DA ÁGUA

Tipo de Água
Sulfúrea
Composição Principal
Bicarbonatada Sódica
Sulfúrea
Composição Secundária
Fluoretada
Mineralização
Fracamente Mineralizada
PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS:
Data da analíse físico-química completa - 27/12/2017
Mineralização Total - 343 mg/L
pH - 8,3
Temperatura - 31,9 ⁰C
Condutividade Elétrica - 352 µS/cm
PROJETO HIDROGENOMA:
pH - 8,2
Temperatura emerg. - 31,0 ⁰C

GEOLOGIA

Localização

Zona Centro-Ibérica Série dos granitos hercínicos biotíticos com  plagioclase cálcica, tardi a pós-orogénicos.

11MAPA

 Adaptada da Carta Geológica de Portugal à escala 1:1.000.000, LNEG-2010

 

UNIDADES GEOLÓGICAS:
  • Depósitos aluvionares - de fraca espessura, constituídos por sedimentos argilo-arenosos.
  • Granito das Caldas da Cavaca - granito de cor cinzenta clara, de duas micas, porfiróide de grão grosseiro a médio. Em geral medianamente a muito alterado e por vezes desagregado a arenizado.
  • Filões de rochas básicas - doleritos orientados segundo as direções NE-SW e NW-SE, geralmente muito alterados.
TECTÓNICA:

A principal estrutura é a falha da ribeira de Côja, com orientação geral NNE-SSW. Localmente observam-se aspetos de esmagamento e de argilificação consideráveis.

As estruturas secundárias de orientações NE-SW e NW-SE têm papel importante nos locais de intersecção com a estrutura principal, onde funcionam como nós tectónicos constituindo áreas favoráveis à circulação de água subterrânea.

Estão ainda presentes sistemas de diaclases NNE-SSW, N-S e NE-SW com  inclinações na ordem dos 70-80º SW e também sub-horizontais, com ou sem preenchimento.

 

CARTA GEOLÓGICA DA CONCESSÃO

11CARTA

 Adaptada da folha 14D da Carta Geológica de Portugal à escala 1:50.000, LNEG-1972 e de Teixeira, 2011

HIDROGEOLOGIA

SISTEMA AQUÍFERO:

Suportado por rochas graníticas pouco alteradas a sãs, com permeabilidade fissural, profundo e confinado.

UNIDADES AQUÍFERAS:

Identificam-se 3 sistemas aquíferos sobrepostos:

  • Sistema aquífero superficial, livre, instalado na cobertura aluvionar.
  • Sistema aquífero livre a semi-confinado, descontínuo, com circulação de águas normais, instalado nas zonas arenizadas e alteradas e na maior parte das zonas fissuradas do granito.
  • Sistema aquífero hidromineral profundo de ciclo longo, confinado, correspondente às águas minerais das Caldas da Cavaca.
MODELO CONCEPTUAL DO SISTEMA AQUÍFERO:

As zonas preferenciais de recarga do sistema hidromineral situam-se nas regiões planálticas da envolvente da concessão, preferencialmente nos locais de maior potencial de  infiltração, em que o maciço granítico se apresenta mais alterado, e em que a densidade de fraturação é maior. A falha da ribeira de Côja constitui o principal corredor de escoamento subterrâneo, conjuntamente  com as restantes estruturas identificadas.

De acordo com a média dos resultados dos geotermómetros utilizados, o reservatório estará a uma temperatura média de 108°C.

 A descarga do sistema hidromineral profundo é devida à ocorrência de uma zona de fraqueza estrutural estabelecida pela interseção das estruturas secundárias com a estrutura principal.

11MODELO

Adaptado de Teixeira, 2011

Estudo do Microbismo Natural

 

--- COMUNIDADES BACTERIANAS POR CLASSE ---

Classe representativa: Gammaproteobacteria.

A composição taxonómica por classe, das comunidades bacterianas desta água sulfúrea, revela uma distribuição em 6 classes (?̅ ≥ 0,09%), ao longo dos anos hidrológicos de 2017 e 2018, entre as quais Gammaproteobacteria é a classe com presença maioritária (62,40%) e Bacilli a que tem menor expressão (0,09%).

A amostra F5 tem maior percentagem de reads (sequências) sem classificação (14,36%), comparativamente com F1 (0,90%) e F7 (0,73%).

11CLASSE

--- COMUNIDADES BACTERIANAS POR GÉNERO ---

A classificação ao nível de género, comparando as amostras F1-F5 (primavera) e F7 (outono), identifica o género Thiovirga como o mais representativo, sendo quase absoluto na composição da amostra F7 (96,72%).

Este hidrogenoma é também constituído por outros géneros com menor expressão, variáveis entre as amostras analisadas, nomeadamente Methylosinus, Sphingomonas, Desulfobulbus e Thermodesulfovibrio. O género Dysgonomonas é comum nas amostras F5 e F7, colhidas no ano hidrológico de 2018.

 

11GENERO

 

--- COMUNIDADES BACTERIANAS POR ESPÉCIE ---

As espécies mais representativas que caracterizam este bacteroma são: Thiovirga sulfuroxydans, Desulfobulbus elongatus e Thermodesulfovibrio thiophilus, associadas à metabolização do enxofre (Tsukasa Ito, et al., 2005) (E. Samain, et al., 1984) (Yuji Sekiguchi, et al., 2008).

11DIVERSIDADE

A última amostra analisada (F7) apresenta menor diversidade bacteriana (H’ = 0,197), assim como menor riqueza específica (OTUs = 37), explicada pela presença dominante do género Thiovirga, enquanto que a amostra F1 tem a maior diversidade e riqueza específica (OTUs = 283).

11VIAVEIS